Notícias

  • Home
  • Notícias
  • Torre Eiffel reabre para visitantes depois de ficar três meses fechada

Torre Eiffel reabre para visitantes depois de ficar três meses fechada

Um dos pontos turísticos mais visitados do mundo, a Torre Eiffel, em Paris, voltou a receber visitantes nesta quinta-feira (25) depois de ficar três meses fechadas em razão da pandemia do novo coronavírus.

13/10/2020 Torre Eiffel reabre para visitantes depois de ficar três meses fechada

Um dos pontos turísticos mais visitados do mundo, a Torre Eiffel, em Paris, voltou a receber visitantes nesta quinta-feira (25) depois de ficar três meses fechadas em razão da pandemia do novo coronavírus.

Este foi o maior período de inatividade do monumento histórico francês desde a Segunda Guerra Mundial. 

A atração reabriu sob fortes medidas de segurança, com a obrigatoriedade de máscara facial, a limitação de visitantes, com agendamento online, e a instalação de postos com álcool em gel na entrada da torre. 

"Este é um dos meus sonhos, vir a Paris e ver a Torre Eiffel. É um dos meus sonhos se tornando realidade e hoje o tempo está maravilhoso. Com a máscara está um pouco quente, mas está tudo ok, porque não tem tantas pessoas", comemorou Nimna Dona, uma turista do Sri-Lanka que vive na Alemanha. 

Com os elevadores desativados até o mês de julho, os visitantes têm que encarar uma subida de 674 degraus para chegar ao segundo piso do monumento, a visão panorâmica mais alta disponível no momento. O topo da maior atração turística da França continua fechada. 

Apesar das limitações, um grande número de turistas formaram uma fila do lado de fora. A administração da Torre Eiffel espera normalizar as operações até o fim do verão europeu, em setembro. 

"Nós perdemos 27 milhões de euros durante este período e provavelmente perderemos durante os meses que estão por vir. Mas nós sabemos que se abrirmos com boas condições e nós abrirmos e nada de ruim acontecer, o que eu espero, eu sei que iremos nos recuperar", relatou o gerente-geral da torre, Patrick Branco.

(Com Reuters)